Mulher-Maravilha

Pôster de Mulher-Maravilha Créditos da Imagem: Warner

Pôster de Mulher-Maravilha
Créditos da Imagem: Warner

Confesso que eu não tinha muitas expectativas em relação ao filme solo da mais famosa e conhecida amazona, MULHER-MARAVILHA.

Apesar de inúmeros elogios ao longa, tanto de críticos quanto de público, eu tinha minhas ressalvas em relação ao filme, muito mais por receio ao que a Warner fez com o famigerado Lanterna Verde, por exemplo, do que por qualquer outro motivo.

E eis que fui surpreendido, e quando se trata de cinema, isso é ótimo! Além de surpreso com a qualidade do longa, fui agraciado com um filme muito acima de todas as minhas expectativas e que eu recomendo. Merece uma nota 10!

Com uma trama simples, mas muito bem conduzida pela diretora Patty Jenkins, do excelente e premiado Monster (2003), com Charlize Theron e Christina Ricci, e diretora da maioria dos episódios da excepcional série The Killing (disponível na Netflix), temos um filme digno da super heroína.

De acordo com o IMDB:

Antes de ser a MULHER-MARAVILHA, ela era Diana, princesa das amazonas, guerreira treinada. Quando um piloto falha e fala de conflitos no mundo exterior, ela sai de casa para lutar uma guerra, descobrindo seus poderes plenos e seu verdadeiro destino.”

O filme tem uma direção ótima, cenas de ação pontuais e sem exageros e uma trama bem conduzida sem ser cansativa, como alguns filmes de origens, e sem ser piegas.

Chris Pine está muito bem como Steve Trevor, mas o grande destaque, claro, é para a ótima Gal Gadot, como Diana/MULHER-MARAVILHA. A atriz israelense é o grande trunfo do filme. Sua simpatia é algo indescritível, uma excelente atriz que tem tudo para se tornar uma grande estrela, um talento nato. Aqui ela já não deixa mais dúvidas no ar de que foi a escolha certa para a papel. Lembrem-se que ela foi muito criticada antes mesmo da estreia de Batman VS Superman, e se com sua pequena participação já havia agradado a muitos, em seu filme solo não há mais sombra de dúvidas em relação a ela ser, de fato, a MULHER-MARAVILHA.

MULHER-MARAVILHA é para o universo DC o que Capitão América: O Primeiro Vingador foi para o universo Marvel; um filme de origem bem executado e com muita qualidade, um filme sincero, bem feito e com “alma”, inserido em um contexto real (MULHER-MARAVILHA se passa durante a Primeira Guerra Mundial, e Capitão América, durante a Segunda), é um divisor de águas, onde é possível ver que um bom filme de super herói nem sempre precisa destruir tudo a sua volta.

Exceto pelo apenas regular Esquadrão Suicida, a Warner tem tomado mais cuidado com seus filmes do universo DC. Apesar dos exageros de Homem de Aço e Batman VS Superman, a qualidade dos seus filmes, atualmente, é muito melhor.

Que venha o segundo, mas antes, em novembro, teremos Gal Gadot de volta ao papel em Liga da Justiça.

Sinopse

Antes de ser MULHER-MARAVILHA, ela era Diana, princesa das Amazonas, treinada para ser uma guerreira imbatível. Criada numa ilha paraíso protegida e escondida, tudo muda quando um piloto americano chega em seu território e avisa sobre um grande conflito tomando forma no mundo. Diana deixa seu lar convencida de que pode impedir a ameaça crescente. Lutando ao lado dos homens em uma guerra para dar fim a todas as outras, Diana descobre seus poderes… e seu destino.

Ficha Técnica

Título: MULHER-MARAVILHA (Wonder Woman – Original)
Ano de Produção: 2017
Direção: Patty Jenkins
Estreia: 1 de Junho de 2017 ( Brasil )
Duração: 141 minutos
Classificação: 12 – Não recomendado para menores de 12 anos
Gênero: Ação, Aventura, Fantasia
Países de Origem: Estados Unidos da América

Tags:

Andreas Pabst é membro da Tolkien Society, a mais respeitada organização de estudos da obra de Tolkien no mundo, professor de inglês há mais de 10 anos e também tradutor.

Deixe seu comentário

Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com