A ODISSEIA

A Odisseia_Pôster

Pôster de A ODISSEIA
Créditos da Imagem: Esfera Filmes

Primeira cabine de imprensa de 2018, e o filme não podia ser melhor: A ODISSEIA (L’Odyssee), sobre a vida do mergulhador e explorador subaquático Jacques-Yves Costeau.

Acredito que todos (ou a maioria, pelo menos), conheçam ou já tenham ouvido falar de Jacques Costeau. Inclusive a revista Caras chegou a lançar um coleção em VHS sobre suas expedições na década de 1990. Mas vamos ao que interessa…

A ODISSEIA faz um mergulho profundo na vida de um dos mais importantes mergulhadores e exploradores subaquáticos do século XX. Um Jacques Costeau que poucos conhecem.

Na década de 1940, Jacques Costeau (Lambert Wilson) comprou, com a ajuda de sua esposa Loubi (apelido de Simone Melchior, interpretada por Audrey Tautou), um antigo caça-minas britânico, e o transformou em um navio de pesquisas hidrográficas, batizado de Calypso. A bordo do navio, Costeau, sua esposa e uma tripulação formada por mergulhadores e cinegrafistas viajou o mundo realizando a filmagem de inúmeros documentários sobre a vida marinha e a possibilidade de o homem habitar abaixo da superfície do mar.

Nem tudo na vida de Costeau era uma maravilha. O relacionamento com seu filho Philippe-Pierre (Pierre Niney) se tornou bastante complicado após a decisão de deixá-lo, junto com seu irmão Jean-Michel (Benjamin Lavernhe), em um internato, para poder viajar a bordo do Calypso. E o relacionamento de Costeau com sua esposa também não era um mar de rosas (acho que tem trocadilhos sobre mar e mergulho demais nesse texto…). Costeau era um mulherengo…

Já adulto, Philippe Costeau embarcou no Calypso, mas isso não melhorou em nada seu relacionamento com o pai.

Jacques Costeau começou sua vida como mergulhador com uma paixão imensurável pelo mar e pelo silêncio por ele proporcionado, mas, logo, a ganância subiu-lhe à cabeça. A possibilidade de faturar com os filmes e as expedições falou mais alto e, em pouco tempo, tudo o que importava era quanto dinheiro poderia ganhar com isso. E claro que esse pensamento o afastou ainda mais de Philippe, que começava a se interessar por ecologia e preservação dos mares.

Mas, após decidir fazer uma arriscada expedição à Antártida, Costeau mudou sua visão sobre o meio ambiente e o impacto das ações do homem sobre a vida marinha. E agora em sintonia com o filho Philippe, Jacques Costeau volta sua atenção para a preservação dos mares e não apenas a obtenção de lucro com ele. E assim surge a Costeau Society, uma organização sem fins lucrativos destinada a promover palestras sobre a importância da preservação da fauna e flora marinhas.

Contudo, a vida de Costeau sofre uma reviravolta terrível com a morte de Philippe em junho de 1979.

Apesar de A ODISSEIA acompanhar a vida de Jacques Costeau somente até a morte de Philippe, Costeau seguiu sua jornada pela preservação da vida marinha até o último dia sua vida, em 1997 (um ano após o naufrágio de Calypso, que acidentalmente se chocou com outro barco em Singapura em 1996).

A ODISSEIA é uma produção incrível de Jérôme Salle, e nos leva a belos mergulhos ao lado cardumes de peixes, tubarões e baleias. E nos faz sentir raiva de um Costeau mais interessado em dinheiro do que na vida marinha, um contra senso ao Costeau que conhecemos hoje. E mais incrível ainda é ver o choque de Jacques Costeau ao descobrir a extensão do impacto das ações do homem, algumas apoiadas por ele, como a exploração de petróleo em plataformas oceânicas, sobre a vida marinha. Podemos dizer que ele praticamente muda da água para o vinho, deixando de lado a possibilidade de contratos milionários para produzir documentários que mostram apenas o que interessa às emissoras de televisão da época para angariar fundos para promover palestras e a preservação ambiental mundo afora.

Uma trilha sonora suave embala os mergulhos ao lado de Costeau, Philippe e outros membros da Equipe Costeau.

A ODISSEIA estreia dia 22 de março e é distribuído pela Esfera Cultural.

É um filme que realmente vale a pena ser assistido, por isso não percam essa oportunidade de conhecer Jacques Costeau sob uma óptica totalmente diferente.

Sinopse

1948. Jacques Cousteau, sua mulher e dois filhos vivem em alto mar, no grande navio Calypso. Mas Cousteau quer algo além da aventura. Graças à sua invenção de um escafandro autônomo que permite respirar debaixo d’água, ele descobre um novo mundo. Obstinado em suas descobertas, não percebe que afasta a família de si. Seu filho o alerta para as consequências do seu trabalho, e desse conflito nascerá uma cumplicidade capaz de salvar o planeta.

Ficha Técnica

Título: A ODISSEIA (L’odyssée)
Direção: Jérôme Salle
Elenco: Lambert Wilson, Pierre Niney, Audrey Tautou
Ano: 2016
País: França
Duração: 122 minutos
Classificação: 12 anos

Tags:

Leonel Andreoli é formado em Turismo e Hospitalidade pela Faculdade de Tecnologia de São Paulo - FATEC.É proprietário da Anime Fair Eventos, cujo principal foco são eventos para o público nerd/geek/otaku. Seu principal projeto atualmente é o “Anime Fair Embu”, que ocorre na cidade de Embu das Artes, e vem crescendo exponencialmente a cada edição, mas vem desenvolvendo outros projetos para a cidade de São Paulo em parceria com o Portal POLTRONA DIGITAL.Também é proprietário da Kaiza Brindes Personalizados, cujo foco é a produção de bottons, chaveiros, espelhos e outros brindes personalizados (também vendidos em eventos com a temática nerd/geek/otaku), e da Ghost Division Airsoft, primeira sala temática a levar um estande de tiro ao alvo com armas de airsoft para os eventos.Fã de quadrinhos da Disney (especialmente Super Pato e Tio Patinhas), colecionador de cartões postais e aspirante a escritor (dois projetos de livros em andamento, sem previsão de lançamento).

Deixe seu comentário