E agora, José?

O escritor Carlos Drummond de Andrade
Créditos da Imagem: Stefan Rosenbauer

Carlos Drummond de Andrade, um dos maiores e mais famosos escritores do Brasil, publicou seu poema “José” em 1942, na coletânea “Poesias”.

Mais famosa que o título do poema em si é a frase “E agora, José?”, muito citada em textos jornalísticos, acadêmicos e mesmo no dia a dia quando se pretende enfatizar a falta de esperança e a sensação de estarmos perdidos e sem saber o que fazer para resolver uma determinada situação.

José

E agora, José?
A festa acabou,
a luz apagou,
o povo sumiu,
a noite esfriou,
e agora, José?
e agora, você?
você que é sem nome,
que zomba dos outros,
você que faz versos,
que ama, protesta?
e agora, José?

Está sem mulher,
está sem discurso,
está sem carinho,
já não pode beber,
já não pode fumar,
cuspir já não pode,
a noite esfriou,
o dia não veio,
o bonde não veio,
o riso não veio,
não veio a utopia
e tudo acabou
e tudo fugiu
e tudo mofou,
e agora, José?

E agora, José?
Sua doce palavra,
seu instante de febre,
sua gula e jejum,
sua biblioteca,
sua lavra de ouro,
seu terno de vidro,
sua incoerência,
seu ódio — e agora?

Com a chave na mão
quer abrir a porta,
não existe porta;
quer morrer no mar,
mas o mar secou;
quer ir para Minas,
Minas não há mais.
José, e agora?

Se você gritasse,
se você gemesse,
se você tocasse
a valsa vienense,
se você dormisse,
se você cansasse,
se você morresse…
Mas você não morre,
você é duro, José!

Sozinho no escuro
qual bicho-do-mato,
sem teogonia,
sem parede nua
para se encostar,
sem cavalo preto
que fuja a galope,
você marcha, José!
José, para onde?

Tags:

Poltrona Digital é um portal focado em cinema, literatura, viagens, rock and roll, comida, arte e boas ideias.

Deixe seu comentário

Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com