THE BIG BANG THEORY – Uma década da comédia nerd mais amada por todos

Elenco de "The Big Bang Theory" Créditos da Imagem: Warner

Elenco de “The Big Bang Theory”
Créditos da Imagem: Warner

THE BIG BANG THEORY é, na minha opinião, de longe uma das melhores sitcoms em exibição nas telinhas, e posso garantir, uma das melhores já lançadas.

Sitcom, para quem não sabe, vem do termo em inglês situation comedy (comédia de situação). Temos exemplos clássicos como How I Met Your Mother, Seinfield, Two and a Half Man e a série mais querida entre os críticos e o público e que é referência no gênero, Friends.

A grande dúvida do momento é se a série, de grande sucesso, será renovada para as 11ª temporada. Atualmente, ela está em sua 10ª temporada, sendo exibida pelo canal pago Warner toda segunda-feira, às 20h. Os produtores estão otimistas, pois The Big Bang Theory é uma das séries mais assistidas nos EUA.

Estrelada por Jim Parsons (Sheldon Cooper), Johnny Galecki (Leonard Hofstadter), Kaley Cuoco (Penny), Simon Helberg (Howard Wolowitz) e Kunal Nayyar (Raj Koothrappali), a série conta o dia a dia de um grupo de cientistas; Sheldon e Leonard, que são físicos, Raj, que é astrofísico, e Howard, que não é cientista, mas engenheiro do MIT (o famoso Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos EUA), mas todos nerds assumidos, e o relacionamentos destes com Penny, a vizinha que se torna amiga do grupo e depois…. ops… nada de spoilers por aqui!

Ao longo dos anos, devido ao enorme sucesso, a série sofreu um ótimo acréscimo do chamado elenco fixo, contando com Melissa Rauch (Bernadette Rostenkowski) e Mayim Bialik (Amy Farrah Fowler), além de Kevin Sussman (Stuart Bloom), que tem uma menor, mas sempre ótima participação na série como o forever alone dono de uma comic store (loja de quadrinhos) frequentada pelo grupo de amigos.

Confesso que, de inicio, não fui muito com “a cara” da série. Assisti dois episódios em sua época de lançamento e parei. Pouco tempo depois, insisti. Ainda bem! Deparei-me com uma série única, que pra mim, só não supera Friends, mesmo porque são estilos diferentes e, vamos e convenhamos, Friends é imbatível.

O que não desmerece THE BIG BANG THEORY de forma alguma. Estar em um mesmo nível com Friends é ser, também, referência quando o assunto é sitcoms.

E o tal segredo? Como uma série com uma premissa aparentemente simples, pode alcançar tantos fãs? Mesmo os que não são considerados nerds.

Em minha opinião, são as referências. Ah… as referências. Que são elas? Toda e qualquer menção de filmes, seriados, quadrinhos, livros, RPG, ou até mesmo nomes de pessoas famosas ,como o gênio Stephen Hawking (o qual, inclusive, fez uma participação no seriado em 2012) .

As referências na série abrangem todo o universo nerd, desde cientistas famosos até atores “esquecidos” por Hollywood, sendo seu exemplo mais notório e mencionado, Will Wheaton, do excelente Conta Comigo, 1986, e sempre lembrado por Sheldon pelo seu papel como Wesley Crusher em Star Trek: The Next Generation.

Vamos desde séries clássicas como Dr. Who e Jornada nas Estrelas até as mais recentes e conhecidas The Walking Dead e uma das favoritas do grupo, Game of Thrones. De filmes clássicos como O Planeta dos Macacos e a trilogia original de Star Wars até os mais recentes, como a trilogia O Senhor dos Anéis e o excelente novo episódio da saga da família Skywalker, Star Wars Episódio VII – O Despertar da Força.

E as referências são inúmeras, alguns episódios com mais, outros com menos, e muitos com referências explícitas e escancaradas, como nos geniais episódios sobre o “Um Anel” perdido da produção original de Peter Jackson e outro em que a namorada de Sheldon, Amy, tenta convencê-lo de que o primeiro filme do arqueólogo Indiana Jones é ruim. O meu favorito até o momento é um episódio genial, também envolvendo meu herói favorito do cinema, Indy, em que o grupo de nerds faz de tudo para assistir a exibição inédita nos cinemas de Os Caçadores da Arca Perdida com, pasmem, 21 segundos a mais!

Assista, divirta-se, aprecie uma série espetacular sobre o nosso universo, cace cada uma das referências e sinta-se um verdadeiro caçador de tesouros.

Um série que vale a pena ser vista e que, além de sua inquestionável qualidade, foi ganhadora de diversos prêmios, incluindo os de melhor série de comédia e de melhor ator em série de comédia para Jim Parsons, dentre eles, um Globo de Ouro e quatro Emmys.

Tags:

Andreas Pabst é membro da Tolkien Society, a mais respeitada organização de estudos da obra de Tolkien no mundo, professor de inglês há mais de 10 anos e também tradutor.

Deixe seu comentário