STAR TREK – JORNADA NAS ESTRELAS: 50 ANOS DE UM MITO

No dia 8 de setembro de 1966, estreava a série Star Trek ou, Jornada nas Estrelas, aqui no Brasil, na rede americana NBC

Star Trek é um divisor de águas não só no meio nerd, mas também da televisão mundial como um todo.

O seriado original contava as aventuras da nave estelar Enterprise e sua tripulação sob o comando do Capitão James T. Kirk, em sua missão de 5 anos em busca de novos mundos, novas civilizações, audaciosamente indo onde nenhum homem jamais esteve.

Star Trek: The Original Series Créditos da Imagem: Divulgação

Star Trek: The Original Series
Créditos da Imagem: Divulgação

Esta foi a primeira tentativa de fazer ficção científica séria com personagens fixos na história da televisão norte-americana. Antes dela, uma outra série de ficção já fazia grande sucesso, The Twilight Zone (conhecida no Brasil como “Além da Imaginação”), mas era de natureza antológica – uma coleção de histórias sem personagens fixos, exceto pelo apresentador.

O conceito da série foi desenvolvido no início dos anos 60 por Gene Roddenberry, um homem que conhecia bem as piores facetas da humanidade, tendo sido ex-piloto de aviões (militar e depois civil) e ex-policial. Seu sonho sempre foi o de tornar-se escritor, e começou realizá-lo durante o período em que atuou no Departamento de Polícia de Los Angeles. Gene começou a escrever alguns roteiros policiais para TV, usando sua experiência pessoal como fonte de histórias, e o sucesso acabou levando-o a deixar a polícia e a tornar-se um conceituado escritor de televisão.

Gene Roddenberry, criador de Star Trek Créditos da Imagem: Divulgação

Gene Roddenberry
Créditos da Imagem: Divulgação

O projeto foi comprado pela Desilu, um estúdio então em fase de decadência depois do enorme sucesso obtido nos tempos de I Love Lucy. Gene Roddenberry precisava vender a ideia a uma rede de televisão, que bancaria a empreitada e exibiria o programa. Acabou conseguindo convencer a NBC de que Star Trek era uma ideia realizável, o que levou à produção de um piloto, em 1964.

Os executivos da NBC gostaram do piloto, mas acabaram recusando-o, ao alegar que ele era inteligente demais para a supostamente medíocre audiência de televisão. Normalmente, quando um piloto é vetado pela rede, acaba-se o sonho de se realizar a série.

Mas, em um ato sem precedentes, a NBC, em vez de engavetar a ideia, decidiu encomendar um segundo piloto. Com mais ação, o segundo piloto foi capaz de convencer a rede a encomendar uma temporada.

A primeira temporada da série foi exibida em 1966-1967, destacando as aventuras de uma nave da Frota Estelar em pleno século 23, a USS Enterprise, e sua tripulação, composta pelo Capitão Kirk (William Shatner), Spock (Leonard Nimoy), o médico de bordo Leonard McCoy (DeForest Kelley), o engenheiro Montgomery Scott (James Doohan), o timoneiro Sulu (George Takei) e a oficial de comunicações Uhura (Nichelle Nichols). O navegador russo Pavel Chekov (Walter Koenig) só iria juntar-se à trupe na temporada seguinte.

A serie ganhou muitos fãs rapidamente, principalmente nos círculos de ficção cientifica, Mas o programa falhou em sua missão principal: arregimentar um público grande o suficiente para manter a exibição na NBC. Com isso, a serie foi cancelada no final da 3ª temporada, com 79 episódios produzidos. Durante os anos 70, a série foi reprisada por redes locais, obtendo um enorme sucesso.

Logo, ficou claro que Star Trek estava tornando-se uma mania. Convenções começaram a ser organizadas nos anos 1970, lotando auditórios com pessoas ávidas por rever seus episódios favoritos e ouvir as pessoas que fizeram parte da produção do programa.

Com isso, a Paramount Pictures, interessada em lucrar mais, lançou, em 1973 a série animada que continuava as aventuras do seriado. Um detalhe interessante é que o elenco original era quem fazia as vozes de seus respectivos personagens na versão animada, produzida pelo estúdio Filmation.

A série animada teve, no total, 22 episódios de 23 minutos de duração cada.

Durante meados dos anos 70, a Paramount negociou com Gene Rodenberry a volta do seriado para a televisão, o que ficou conhecido como Phase II. Mas, em 25 de maio de 1977, estreava nos cinemas aquilo que viria se tornar um dos maiores blockbusters da história do cinema: Star Wars, ou Guerra nas Estrelas, no Brasil.

Vendo o sucesso e, consequentemente, o faturamento da Fox com o filme, e tendo um produto similar em mãos, a Paramount decidiu cancelar a volta do seriado para a TV e levar a história para o cinema. Assim, em 7 de dezembro de 1979, foi lançado Star Trek: The Motion Picture.

Star Trek: The Motion Picture Créditos da Imagem: Divulgação

Star Trek: The Motion Picture
Créditos da Imagem: Divulgação

Com o sucesso alcançado por esse filme, foram produzidos, no decorrer dos anos 80, mais 5 filmes com o elenco original, e, em 28 de setembro de 1987, foi lançado nas TVs norte-americanas Star Trek: The Next Generation, ou Jornada nas Estrelas: a Nova Geração, no Brasil, com 7 temporadas, 178 episódios, um novo elenco, onde as aventuras se passavam 75 anos após a serie clássica.

Star Trek: A Nova Geração Créditos da Imagem: Divulgação

Star Trek: A Nova Geração
Créditos da Imagem: Divulgação

Com isso, o sucesso não parou. Em 1993 tivemos Star Trek: Deep Space Nine, com 7 temporadas e 176 episódios.

Star Trek: Deep Space Nine Créditos da Imagem: Divulgação

Star Trek: Deep Space Nine
Créditos da Imagem: Divulgação

Em 1995, foi lançado Star Trek: Voyager, com 7 temporadas e 172 episódios. Por fim, tivemos em 2001, Star Trek: Enterprise, que se passava 100 anos antes da serie original, e contou com 4 temporadas e 100 episódios.

Star Trek: Voyager Créditos da Imagem: Divulgação

Star Trek: Voyager
Créditos da Imagem: Divulgação

Nesse meio tempo, tivemos, também, 4 filmes para o cinema com o elenco da Nova Geração, até o ano de 2002.

Após o final de Enterprise em 2005, parecia que Star Trek estava destinada às reprises, mas eis que, em 2009 a Paramount decidiu lançar novamente Star Trek nos cinemas, fazendo um remake da serie clássica com um novo elenco. Nascia, assim, Star Trek sob a direção de J. J. Abrams, sendo que o terceiro filme desse universo reimaginado deve estrear em 22 de julho nos cinemas norte-americanos e em 1º de setembro aqui no Brasil, e ainda temos para 2017 o lançamento de uma nova série de Star Trek para televisão, o que deve ocorrer em janeiro próximo.

J.J. Abrams e A Nova Tripulação de Star Trek Créditos da Imagem: Divulgação

J.J. Abrams e A Nova Tripulação de Star Trek
Créditos da Imagem: Divulgação

Agora, se não bastasse tudo isso, o que dá mais de 500 horas de produção, Star Trek também é sucesso em outras mídias, como games, livros, HQs, etc., sem mencionar o enorme mercado de memorabilia, com miniaturas das naves, bonecos dos personagens e por aí a fora.

Star Trek acabou tornado-se um ícone da cultura pop, sendo parodiado, homenageado das mais diversas formas, elogiado por escritores de ficção cientifica como Isaac Asimov, cientistas como Stephen Hawking, que chegou a participar de um episódio de A Nova Geração, críticos de TV e cinema, isso sem mencionar a incontável legião de fãs pelo mundo todo, que são conhecidos como trekkers.

O amor desses fãs pela série é tão grande que vários grupos já fizeram diversos fã-filmes, alguns contando com a presença de membros do elenco das séries, reprisando seus papéis ou mesmo interpretando outros.

Por tudo isso, podes-se dizer que Star Tek, ou Jornada nas Estrelas, se preferir, é algo incomparável, sem precedentes na historia, influenciado a sociedade, a tecnologia e a ciência. Realmente algo inédito na história.

Vida longa e próspera a todos!

Colaboração: Kleber M. de Toledo

Fontes: Trek Brasilis, Wikipédia, Top Tv especial Star Trek; Rede Record, Canal ENPE, Documentário: Uma Jornada de 30 anos; Rede Record

Tags:

Deixe seu comentário