Crítica | Resident Evil 6: O Capítulo Final

[embedyt] http://www.youtube.com/watch?v=17sInSM9kE0[/embedyt]

Toda história tem um final…

Colaboração: Leonel A. L. Andreoli

Detalhe do Pôster de Resident Evil 6: O Capítulo Final Créditos da Imagem: Divulgação/Sony Pictures

Detalhe do Pôster de Resident Evil 6: O Capítulo Final
Créditos da Imagem: Divulgação/Sony Pictures

Esta semana fiz algo que não fazia já havia alguns bons anos: ir ao cinema para “matar” dois filmes de uma vez só. Dessa vez, “matei” Resident Evil 6: O Capítulo Final e xXx: Reativado. Neste artigo, vou falar sobre o sexto filme da franquia Resident Evil.

Confesso: nunca joguei Resident Evil na vida. Mas conheço razoavelmente o enredo dos jogos pelo que amigos comentam comigo. E sou louco para ler os livros baseados nos jogos.

Assim como os livros formam um universo à parte, por trazer algumas informações que divergem da cronologia do jogo, a franquia cinematográfica compõe um universo totalmente independente, com um grupo específico de fãs. Tenho isso bem claro para mim, para não criar a expectativa de um filme fiel ao jogo e/ou livro.

Pois bem, vamos lá….

Mais uma vez Paul W.S. Anderson (diretor do filme) nos bombardeia com as consequências de uma batalha que não vimos. E é em meio à completa destruição de Washington que começa o capítulo final da história de Alice (Mila Jovovich).

Alice é atraída por Albert Wesker (Shawn Roberts) para Washington, mas acaba caindo em uma emboscada. Quando acorda, está sozinha em uma cidade em ruínas e infestada dos mais bizarros tipos de zumbis (agora temos zumbis voadores!!!).

Em uma antiga instalação, Alice encontra computadores através dos quais a Rainha Vermelha a informa sobre os planos da Umbrella Corporation e sobre a cura para o letal T-Vírus. E, para surpresa de Alice, a cura está exatamente onde tudo começou: Raccon City.

Em sua viagem de volta a Raccon City, Alice acaba prisioneira do Dr. Isaacs (Iain Glen), mas consegue escapar e se juntar a um grupo (o último) de sobreviventes na cidade. Entre os membros do grupo, Alice reencontra sua amiga Claire Redfield (Ali Larter) e forma um grupo pequeno para invadir as instalações da Colmeia.

Com uma pequena ajuda da Rainha Vermelha, Alice, Claire e seu namorado, Doc (Eoin Macken), únicos sobreviventes do grupo formado para a invasão, conseguem adentrar as instalações da Colmeia e finalmente descobrem a verdade sobre o apocalipse zumbi que varreu a humanidade da face da Terra.

Algumas lutas e lembranças depois, Alice alcança seu destino final. Mas, junto com a cura para o T-Vírus, ela descobre a verdade sobre seu passado e o futuro que a espera caso consiga tomar o antivírus das mãos do Dr. Issacs.

Decidida, Alice enfrenta Dr. Isaacs e seu nada promissor destino para liberar o antivírus na superfície, onde poderá se espalhar pelo ar e matar qualquer forma de vida infectada pelo T-Vírus. Isso, claro, inclui ela própria. Mas não é bem essa a verdade… e Alice sobrevive para ver pouco a pouco os mortos-vivos caindo, finalmente limpando a Terra da ameaça zumbi e dando esperança aos humanos remanescentes.

Não recordo exatamente as palavras de Alice, mas basicamente ela diz que “o T-Vírus viajou na velocidade da tecnologia, pegando carona em jatos e destruindo rapidamente a humanidade. O antivírus viaja pelo ar e pode levar algum tempo até fazer efeito completamente”.

Pois bem… com uma frase assim e sua saída mundo afora em sua moto, não sei se acredito que este foi o “capítulo final” ou se devo esperar algo mais; o que não seria surpresa alguma, apesar de achar que essa história já foi longe demais e acabou se tornando oca.

Resident Evil é uma franquia que já dura 14 anos (Resident Evil: O Hóspede Maldito foi lançado em maio de 2002) e conta com seis títulos. Em minha opinião, os melhores foram, sem dúvida alguma, Resident Evil: O Hóspede Maldito e Resident Evil: Apocalipse (os dois primeiros filmes lançados). A partir de Resident Evil: Extinção achei que a história começou a se perder muito, e personagens aparecem e somem sem explicação alguma. Um exemplo: Jill Valentine (Sienna Guillory) termina Resident Evil: Apocalipse como uma traidora da Umbrella Corporation, aparece no final de Resident Evil: Recomeço como um soldado da corporação e, depois, some novamente, tudo isso sem explicação.

Algo que adoro muito nos filmes da franquia Resident Evil é sua trilha sonora. Para mim, as músicas se encaixam com extrema perfeição ao momento durante o filme. Resident Evil 6: O Capítulo Final não deixou a desejar em relação a sua trilha sonora, bastante intensa.

Voltando ao último filme, não podemos esquecer que, durante as filmagens de Resident Evil 6: O Capítulo Final, aconteceram dois acidentes: um resultou na amputação do braço da dublê Olivia Jackson, e outro tirou a vida de Ricardo Cornelius, membro da equipe de filmagem.

Como tem muita coisa para falar sobre a franquia Resident Evil, vou encerrar este artigo dizendo que o filme é bom para quem entende que ele não reflete a história do jogo e que ele deixa muitas pontas soltas. Não chega aos pés do primeiro filme e poderia, com certeza, ter sido bem melhor. Parece um final forçado para a franquia. Mas enfim, vale a pena ser assistido para saber como “acaba” a saga do Projeto Alice.

O filme estreou dia 26 de janeiro nos cinemas e é distribuído pela Sony Pictures.

Ficha Técnica

Título: Resident Evil 6: O Capítulo Final
Título em inglês: Resident Evil: The Final Chapter
Duração: 1h47
Gênero: Ação, Terror
Origem: Estados Unidos, Alemanha, Austrália, Canadá, França.
Direção: Paul W.S. Anderson
Elenco: Mila Jovovich, Ali Larter, Iain Glen, Shawn Roberts, Eoin Macken, William Levy

—————————————————————————————————————————————-

Você gostou deste artigo? Então, que tal contribuir para manter o Portal NERD AOS 40 no ar?

O Clube de Mantenedores do Portal NERD AOS 40 é a primeira iniciativa de financiamento coletivo criado para angariar fundos para este projeto, e está baseado no Kickante, um dos mais conhecidos e confiáveis sites de crowdfunding do mundo.

Basta clicar no link Clube de Mantenedores do Portal NERD AOS 40 ou no botão abaixo para fazer sua contribuição.

 

Agradecerei muito se puder contar com a sua ajuda!

Kleber Pedroso – Editor
Portal NERD AOS 40

—————————————————————————————————————————————-

 

Tags:

Leonel Andreoli

Leonel Andreoli é formado em Turismo e Hospitalidade pela Faculdade de Tecnologia de São Paulo - FATEC. É proprietário da Anime Fair Eventos, cujo principal foco são eventos para o público nerd/geek/otaku. Seu principal projeto atualmente é o “Anime Fair Embu”, que ocorre na cidade de Embu das Artes, e vem crescendo exponencialmente a cada edição, mas vem desenvolvendo outros projetos para a cidade de São Paulo em parceria com o Portal POLTRONA DIGITAL.

Deixe seu comentário