D.P.A. – O Filme

DPA - O Filme (imagem de divulgação) Créditos da Imagem: Paris Filmes

D.P.A. – O Filme (imagem de divulgação)
Créditos da Imagem: Paris Filmes

D.P.A. – O Filme é a adaptação para o cinema do seriado D.P.A. – Detetives do Prédio Azul, um dos carros chefes do canal de TV paga Gloob, que já está em sua 8ª temporada.

Os jovens detetives da segunda geração do clubinho, Sol (Letícia Braga), Bento (Anderson Lima) e Pippo (Pedro Henrique Motta) estão prestes a viver sua maior aventura até então, saindo às ruas do Rio de Janeiro para resolver o mistério da repentina mudança de comportamento da síndica (e bruxa) Dona Leocádia (Tamara Taxman), as rachaduras surgidas no Prédio Azul e o roubo de itens pessoais e extremante importantes de bruxos poderosos convidados à festa de Dona Leocádia para uma reunião de sua turma dos tempos da escola de magia.

O filme estreou nos cinemas dia 13 de julho, e desde antes da estreia, ao ver a anúncio na TV, meu padawan, que acompanha a série diariamente, estava afoito para assisti-lo. E nada melhor do que ir ao cinema ao lado de alguém que faz parte do público-alvo do filme para poder medir exatamente se o seu propósito foi devidamente alcançado. Essa é uma experiência que a cabine de imprensa não proporciona. Por mais que seja importante e prazeroso estar em uma sessão fechada para a imprensa, assistir a um filme voltado para crianças com uma criança ao seu lado é impagável.

O padawan gostou muito, e eu dei boas risadas!

D.P.A. – O Filme, sem sombra de dúvidas, é um filme feito para fãs da série. Os personagens principais em momento algum são apresentados. Você os conhece porque acompanha a série, e você só irá entender o filme se efetivamente acompanhá-la. Não tem jeito.

O filme tem cenas externas (que fazem muita falta na série), efeitos especiais que chamam a atenção da garotada, uma cena com livros voadores e com dentes que me fez lembrar na hora do “Livro Monstruoso dos Monstros”, de Harry Potter, e a participação de Mariana Ximenes, Aílton Graça, Maria Clara Gueiros e Otavio Muller. Os três detetives originais, Tom (Caio Manhente), Mila (Letícia Pedro) e Capim (Cauê Campos) também são chamados de volta pelo bruxo Theobaldo (Charles Mayara) para ajudarem a desvendar os mistérios.

Quanto à produção em si, o filme não é muito mais do que uma extensão do seriado, sem grandes pretensões. É um filme para fãs. Se (a) seu(sua) padawan é fã, leve-o(a), pois ele(a) irá gostar.

Sinopse

Os Detetives do Prédio Azul são confrontados com o maior caso de suas vidas: salvar o próprio edifício da destruição. Pippo, Sol e Bento se infiltram na festa de Dona Leocádia, a terrível síndica que é, literalmente, uma bruxa. Lá eles presenciam um crime “mágico”, que condena o Prédio Azul a uma demolição de emergência.

Ficha Técnica

Direção: André Pellenz
Roteiro: Flávia Lins
Elenco: Suely Franco, Otávio Müller, Mariana Ximenes, Maria Clara Gueirros, Anderson Lima, Pedro Henriques Motta
Nacionalidade e Lançamento: Brasil, 13 de julho de 2017

Tags:

Kleber Pedroso

Kleber Pedroso é Editor da Poltrona Digital e tradutor profissional. Graduado como Tradutor/Intérprete (1998), pós-graduado em Gestão Estratégica de Pessoas (2010) e cursando uma segunda pós-graduação, em Filosofia (2018-2019).

Deixe seu comentário